Pular para o conteúdo principal

A fábula do sapo

Segundo consta do repertório popular, um cientista, querendo comprovar que incômodos quando gradativos provocam uma natural acomodação e não uma reação brusca para se livrar de uma situação incomoda, decidiu realizar um experimento utilizando para isso dois sapos, uma panela, um pouco de água e um fogão.

O cientista colocou a panela com água no fogão e colocou o primeiro sapo dentro dela. Passados algum tempo a água começou a esquentar gradualmente e o sapo acostumou-se com ela e só quando estava insuportavelmente quente, esboçou tardiamente uma tentativa de deixar a panela e morreu. Em seguida, o cientista jogou dentro da mesma panela que já estava com a água quente, o segundo sapo, que reagiu em frações de segundos e pulou da panela com apenas algumas queimaduras, mas sobreviveu.



Observem que esta fábula condiz exatamente com a realidade brasileira que estamos vivendo e digo por quê.
Primeiro vieram os discursos populistas do senhor Lula e seus “companheiros” que, apesar de arcaicos, continuam surtindo efeitos mirabolantes entre os menos esclarecidos e engordados ainda de tal maneira pelas bolsas famílias do “fome zero”, aliás, que ele mesmo tanto criticava e era contra quando candidato.
Pois bem, quando muitos estavam eufóricos e esperançosos com o novo governo, a máscara começou a cair, mostrando a que vieram os mesmos de sempre.

Houve então o mensalão para tentar aniquilar a oposição, seguido de vários escândalos de corrupções com o dinheiro público e as CPIs que acabaram em pizzas ou foram atenuadas pelo Pinóquio (que nunca sabe de nada). Também veio o desarmamento das pessoas ordeiras enquanto os criminosos continuaram cada vez mais bem armados e violentos. Além disso, estabeleceram o abrandamento das punições aos consumidores de tóxicos e instituíram a proibição do uso das algemas em presos, incentivando ainda mais a prática de crimes por todo o País.

Espere! Você acha que acabou? Mas eu lembro a vocês que ainda tem mais e vamos adiante, citando a guerra ao fumo através da assinatura da Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco e a proibição do cigarro em vários ambientes, que tanto tem prejudicado principalmente os estados do sul. Do mesmo modo criaram o sistema de cotas nas faculdades e as demarcações de terras indígenas, tentando separar brasileiros pela cor da pele. Surgiu da mesma forma a lei seca do álcool para motoristas e a volta da sociologia e da filosofia (a deles, é claro) no ensino médio. Com que objetivo?

Ah! Já ia me esquecendo do dispositivo de rastreamento que passou a ser obrigatório em todos os veículos fabricados a partir de agosto de 2009 (Resolução - 245 CONTRAN). Sabem pra que?
A desculpa é a segurança, mas não duvidem se forem utilizados para monitorar os teus passos. Adeus privacidade!

Vejam que tudo isso vem sendo introduzido lentamente pelo governo popular em nossas vidas para não provocar desconforto e possíveis reações. E a tendência, se nada for feito a tempo de frear esta disposição, fatalmente é de que sejamos todos fritos, ou melhor, cozidos como na fábula do sapo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

COME E DEPOIS VIRA O COCHO...

Quem nunca ouviu ou leu a citação, come e depois vira o cocho?    Acredito que a grande maioria já ouviu e sabe que este aforismo surgiu pelo fato de que o porco normalmente faz isso, logo depois que come. Mas creio que muitos não se deram conta, de que o porco age desta forma por puro instinto, na busca de mais alimento e não com a intenção de simplesmente desfazer do artefato que lhe foi útil. Diferentemente do suíno, alguns seres humanos descartam seus resquícios de modo nada sociável e nas mais variadas situações e ambientes em que vivem, servindo a estes então a colocação dispensada até então aos “porcos”.
   E em nossa Cidade não precisamos ir muito longe para ver situações que nos remetem ao dito popular, atribuindo este comportamento principalmente aos nossos jovens que fumam, comem e bebem em vias públicas e mesmo estando diante de lixeiras, preferem colocar seus detritos nas calçadas e nas vias públicas. Por vezes, até mesmo ali fazem suas necessidades fisiológicas de…

Turma de 81 e seus 35 anos...

Tudo começou quando no mês de setembro de 1981, a Gazeta do Sul noticiou que se encontravam abertas às inscrições para o curso de formação de Patrulheiros Rodoviários.

   Não teve dúvidas, muitos santa-cruzenses, assim que tomaram conhecimento da oportunidade que surgira de se tornar um Patrulheiro Rodoviário, correram até as dependências do DAER de Santa Cruz do Sul, para realizar suas inscrições.
   A inscrição, era a primeira das muitas etapas exigidas nesta caminhada em busca da realização do sonho de ter uma profissão tão desafiadora como esta.    Foram quase 2000 candidatos no Estado para o preenchimento das 120 vagas disponibilizadas para completar o recém criado, Batalhão de Policiamento Rodoviário que recebera o nome de “Batalhão Cel Kelleter”.
   Começava então a maratona de idas a Capital, onde éramos submetidos, inicialmente, a provas de conhecimentos gerais, seguidos de testes e entrevistas psicológicas, exames médicos, laboratoriais, odontológicos e os famosos testes físic…

Legislador salteador e o salteador legislador

Na minha humilde forma de avaliar a violência reinante no País, entrevejo a existência de dois tipos nocivos de legisladores a se destacar neste cenário aterrorizante dos últimos tempos. E deixo claro que os “legisladores” sobre os quais irei explanar a seguir são por demais prejudiciais a toda sociedade e por isso devem ser suprimidos de nossas vidas, pois já fizeram muitas vítimas e enquanto existirem farão outras tantas.
   Vamos então conhecer inicialmente o “legislador salteador”, que a meu ver é aquele que recebe oficialmente a incumbência de desempenhar um cargo eletivo, ou seja, através do voto popular ele aufere a confiança e o aval dos eleitores para que faça seu trabalho voltado para o bem estar da maioria das pessoas e do país. Esta figura representativa após eleita modifica ou cria leis, estatutos, códigos, etc. que irão nortear e de certa forma interferir na vida de toda a sociedade. Por vezes este mau gestor da coisa pública mascara a verdadeira intenção de a quem ben…